© Depositphotos.com / Mukhina1 Segundo um estudo existem 4 tipos de temperamentos: sanguíneo, fleumático, colérico e melancólico.

Temperamento é um aspecto da personalidade que aponta as particularidades do comportamento. Trata-se de um conjunto de tendências que têm relação com a forma de ver o mundo, os interesses, as habilidades e os valores mais evidentes de um indivíduo.

A teoria dos temperamentos surgiu por volta do ano 400 a.C., e foi criada por Hipócrates — o pai da medicina. Desde então, o temperamento dos indivíduos tem sido objeto de estudo de diversos psicólogos, neurocientistas e filósofos. Em geral, a maioria das teorias apontam a existência de quatro grupos de temperamentos: sanguíneo, fleumático, colérico e melancólico. Conheça cada um deles a seguir:

Os 4 principais tipos de temperamento

Sanguíneo

Este temperamento é expansivo, otimista e impulsivo. Extrovertidos e sensíveis, os sanguíneos são indivíduos que não passam desapercebidos, pois são espontâneos e gostam de interagir. Além disso, costumam fazer gestos largos e falar bem em público.

  • Pontos fortes: são comunicativos, resilientes, adaptáveis e entusiastas;
  • Pontos que precisam ser trabalhados: impulsividade, falta de atenção, superficialidade e exagero.

Fleumático

Este temperamento é sonhador, pacífico, dócil. Os fleumáticos prezam a rotina, o silêncio e dificilmente perdem o controle, pois costumam avaliar antes de reagir. São pacientes, observadores, disciplinados, preferem não manifestar suas opiniões em público e não costumam reagir bem às críticas.

  • Pontos fortes: são equilibrados e confiáveis;
  • Pontos que precisam ser trabalhados: lentidão, resistência as mudanças e indecisão.

Colérico

Este temperamento é explosivo, ambicioso e dominador. Indivíduos coléricos são determinados e possuem grande capacidade de planejamento, além de muita energia e impulsividade. São líderes natos e explosivos.

  • Pontos fortes: determinação, habilidade de liderança e praticidade;
  • Pontos que precisam ser trabalhados: egocentrismo, intolerância e impaciência.

Melancólico

Este temperamento é tímido, artístico e solitário. Os melancólicos têm a sensibilidade muito aflorada, e são pessoas profundas, detalhistas e introvertidas, com tendência a guardar seus sentimentos. São fiéis, desconfiados e tendem a escolher profissões que possam exercer sozinhos.

  • Pontos fortes: lealdade, dedicação e sensibilidade;
  • Pontos que precisam ser trabalhados: egoísmo, pessimismo e inflexibilidade.

 

Temperamento não é destino

Daniel Goleman — psicólogo, escritor, PhD da Universidade de Harvard e responsável por popularizar o conceito de Inteligência Emocional — afirma que, embora existam pontos que determinam o temperamento, muitos circuitos cerebrais da mente humana são maleáveis e podem ser trabalhados. Isso significa, portanto, que temperamento não é destino.

Exercitar hábitos saudáveis e entender, controlar e canalizar nossas emoções é essencial para desenvolver a Inteligência Emocional de um indivíduo. Todos os seres humanos têm a possibilidade de melhorar e devolver habilidades. A Inteligência Emocional pode ser desenvolvida e treinada com a construção de novos hábitos e outras formas de pensar, refletindo diretamente no comportamento.

Se você que desenvolver sua capacidade de lidar melhor com as emoções e o seu temperamento, conheça o Método LOTUS. São três dias dedicados ao desenvolvimento da sua Inteligência Emocional, das habilidades interpessoais e do autoconhecimento.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter