Inscreva-se para receber nossa newsletter

racismo
Como os preconceitos são enraizados e se tornam crenças em nossas vidas?


O assassinato de George Floyd gerou uma série de manifestações antirracistas ao redor do mundo.

Nem a pandemia de proporção global que estamos vivendo hoje, ocasionada pela COVID-19, conseguiu impedir que milhares de pessoas fossem às ruas lutar contra o racismo e reivindicar seus direitos.

Nas redes sociais o movimento #BlackLivesMatter atingiu grandes empresas, artistas e influencers, trazendo mais voz a essa luta antirracista.

Há séculos a Humanidade enfrenta diversos tipos de preconceitos, que com muito esforço, hoje são considerados crimes em vários países.

Mas, para que a mudança realmente ocorra, precisamos olhar para dentro de nós com o intuito de assumir esses comportamentos. Esse é o primeiro passo.

Como esses preconceitos são enraizados e se tornam crenças em nossas vidas? Qual é o papel das emoções nesse processo e como podemos utilizá-las para desconstruir preconceitos que existem dentro de nós?

É exatamente sobre isso que vamos falar neste artigo. Confira!


O poder das emoções na criação de crenças

Para Rodrigo Fonseca, presidente da Sbie, a Matriz da Vida é um grande exemplo de como ocorre a construção de crenças e comportamentos que repetimos ao longo da nossa vida. Até chegar o dia em que tomamos consciência sobre essas questões.

Matriz da Vida


“Na Matriz da Vida os programas emocionais são as crenças que construímos através da nossa família e sociedade. Primeiro ocorre uma comunicação e ela gera um pensamento em nossa mente, através de imagens que o lado cognitivo do cérebro cria. Essas imagens despertam as nossas emoções, seja o Medo, Raiva, Tristeza, Alegria ou o Amor. Conforme esse processo vai sendo repetido, através do pensamento e da emoção, criamos programas emocionais que nos fazem repetir o mesmo comportamento em determinada situação”, diz Rodrigo.

Fica claro que tanto a sociedade como a própria família podem contribuir para a construção de um comportamento preconceituoso sem que percebemos.

Por exemplo, se em algum momento rimos de uma “piada” preconceituosa, desde a nossa infância, isso já vai criando programas emocionais que nos influenciarão até a nossa vida adulta.

Nesse caso, a emoção Alegria fez parte do processo de construção da crença e em algum momento você vai acreditar que a “piada” é realmente verdade. Quando menos perceber, vai estar repetindo a “piada” para outras pessoas e contribuindo para a disseminação desse comportamento.


Veja mais: “O que são crenças limitantes e qual o papel da Inteligência Emocional?”


Como podemos mudar isso?

A Especialista Emocional e psicóloga Nathaly Antunes, que atualmente faz parte do nosso CARE, afirma que a auto-observação é essencial se desconstruir: “Ninguém muda aquilo que não tem consciência. Então, olhe para a sua história de vida, as crenças que carregou da sua família, amigos, sociedade… o momento que as assumiu como verdade absoluta na sua vida”.

É nesse processo de ressignificação que mudamos o programa emocional já construído. Quando identificamos que aquela “piada” é racista e preconceituosa, damos um novo significado ao acontecimento e paramos de repetir o comportamento de sempre. No caso, a risada.

Assim mudamos nossas atitudes e partimos para o segundo passo: a ação.


Veja mais: “Entenda quais são e como funcionam as cinco emoções básicas


Dicas de séries, livros e artigos para você se desconstruir

Nunca é tarde para se desconstruir, rever crenças, comportamentos e opiniões. Na luta contra o racismo, precisamos fazer isso todos os dias.

Então, para você se aprofundar ainda mais no assunto e entender o seu papel na luta por um mundo mais justo e igualitário, confira nossas dicas!


Artigos


Livros

  • O Quarto de Despejo — Carolina Maria de Jesus
  • O Genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado — Abdias Nascimento
  • Quem Tem Medo do Feminismo Negro? — Djamila Ribeiro
  • Lugar de Fala – Djamila Ribeiro — Djamila Ribeiro
  • Pequeno Manual Antirracista — Djamila Ribeiro
  • Eu Sei Porquê o Pássaro Canta na Gaiola — Maya Angelou
  • A Democracia da Abolição — Angela Davis
  • Mulheres, Raça e Classe — Angela Davis
  • Não basta não ser racista: Sejamos antirracistas — Robin Diangelo
  • O Ódio que Você Semeia — Angie Thomas


Podcasts


Filmes e Séries

  • 13th — Netflix
  • Cara Gente Branca — Netflix
  • Olhos Que Condenam — Netflix
  • Maya Angelou e Ainda Resisto — Netflix
  • What Happened Miss Simone? — Netflix
  • Barry – Netflix
  • O Mordomo da Casa Branca — Netflix
  • Selma: Uma Luta Pela Igualdade — Disponível para Alugar
  • O Ódio que Você Semeia — Disponível para Alugar / Telecine
  • 12 Anos de Escravidão — Netflix
  • Faça a coisa certa- Spike Lee — Disponível para Alugar



Gostou desse artigo? Então, compartilhe em suas redes sociais, com amigos e familiares!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Você está cansado de não conseguir manter metas de longo prazo, ou então ser considerado uma pessoa explosiva? Entenda como parar de agir por impulso!

Leia Mais ►

Você sente dificuldade em realizar trabalhos em equipe? Quer entender a origem desse problema, e como superá-lo? Leia agora e descubra!

Leia Mais ►

Treinamentos Sbie

DESENVOLVA A
CAPACIDADE QUE PESSOAS REALMENTE FELIZES E QUE VERDADEIRAMENTE LIDERAM SUAS VIDAs POSSUEM.
A HABILIDADE INDISPENSÁVEL PARA TODO PROFISSIONAL
QUE TRABALHA COM DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Inscreva-se para receber nossa newsletter