© Depositphotos.com / Foto_vika Durante a adolescência os jovens podem apresentar comportamentos resistentes às mudanças que estão acontecendo a sua volta, seja pelo medo do desconhecido ou pela insegurança.

A adolescência é um período de intensas modificações e, por esse motivo, esta é uma fase da vida que costuma ser muito complicada para a maioria das pessoas. Isso porque os hormônios e mudanças físicas/cognitivas do jovem estão a todo vapor, e as constantes e intensas transformações vivenciadas por ele acabam influenciando diretamente em sua vida social, escolar e familiar.

Estar na metade do caminho entre a infância e a idade adulta faz com que diferentes necessidades comecem a surgir e, por mais que a maturidade do adolescente ainda não esteja desenvolvida a ponto de ele ser capaz de tomar grandes decisões por conta própria, suas vontades individuais aparecem de maneira muito intensa. Este é um contexto que pode gerar conflitos, especialmente com figuras que representam autoridade — como pais e professores.

Como consequência dessas mudanças, o adolescente pode apresentar um comportamento resistente às mudanças que estão acontecendo em sua vida, seja pelo medo do desconhecido ou pela insegurança que é normal desta fase da vida. O desenvolvimento da Inteligência Emocional durante a adolescência pode ser muito benéfico para o jovem, pois possibilita que ele ressignifique traumas e entenda quais os gatilhos que geram comportamentos de resistência. Dessa forma, o indivíduo não carrega bagagens emocionais negativas para vida adulta.

Como orientar um adolescente resistente a mudanças?

Permita que ele viva as próprias experiências

Tenha em mente que é impossível evitar que os adolescentes tenham experiências frustrantes ou que tragam sofrimento. Muitas vezes, é importante que eles convivam com o fracasso e com as decepções para que possam desenvolver segurança e independência na vida adulta. Lembre-se: os erros são fundamentais para o processo de evolução e amadurecimento do ser humano.

Dê exemplo

Os filhos repetem os comportamentos dos pais e, por isso, é importante que você observe suas próprias atitudes no ambiente familiar, sempre analisando se elas estão de acordo com aquilo que você cobra do adolescente.

Critique de forma construtiva

É natural que as cobranças aumentem durante essa fase da vida: empenho nos estudos, amizades construtivas, hábitos saudáveis e foco na construção de um futuro estão entre os tópicos que mais causam pressão sobre os adolescentes. Neste contexto, pode acontecer de os pais exagerarem nas críticas e cobranças, levando tensão ao relacionamento.

Para evitar que isso aconteça, é preciso ter cuidado com a rigidez no relacionamento com seu filho e não deixar que as conquistas do jovem fiquem em segundo plano. Aposte sempre em críticas construtivas e explique o motivo das suas preocupações.

Trabalhe a insegurança do jovem

A resistência a mudança está diretamente relacionada à insegurança, e a visão dos adolescentes sobre seus próprios temores pode ficar distorcida durante essa fase da vida, fazendo com que os problemas pareçam ainda maiores do que realmente são. É preciso muito diálogo e orientação para que o jovem entenda que encarar seus medos é fundamental e que fugir de situações que precisam ser enfrentadas pode ser muito mais doloroso e prejudicial. Trabalhe junto com o jovem para que ele possa conhecer sua própria personalidade, além de forças e fraquezas.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter