© Depositphotos.com / e.sheluxina A Inteligência Emocional é um grande diferencial e se faz cada vez mais necessária devido às rápidas mudanças globais.

Conceito de Inteligência Emocional foi definido academicamente pela primeira vez em 1990, pelos psicólogos e pesquisadores estadunidenses Peter Salovey e John D. Mayer, a partir do artigo “Emotional Intelligence”, publicado na revista Imagination, Cognition and Personality (Imaginação, Cognição e Personalidade).

Nesse artigo, a Inteligência Emocional é definida como “subconjunto da inteligência social que envolve a capacidade de monitorar as próprias emoções e a dos outros, e usar essa informação para guiar o pensamento e ações”.

O psicólogo, escritor e Ph.D. de Harvard, Daniel Goleman, considerado o pai da Inteligência Emocional, foi responsável por popularizar o conceito com o livro Inteligência Emocional, publicado em 1995. Para Goleman, somos, primariamente, seres de paixão, empatia e compaixão, e só em seguida, de razão. Quando combinamos QI e QE, conseguimos mobilizar a nós e aos outros de maneira integral.

A partir de uma visão mais recente e atualizada, a Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional, define essa competência como um somatório de habilidades que tornam as pessoas capazes de administrar os obstáculos que a vida moderna impõe, de modo a aceitar e perceber as emoções e direcioná-las para obter melhores resultados em diferentes esferas da vida.

Hoje, a Inteligência Emocional é um grande diferencial e se faz cada vez mais necessária devido às rápidas mudanças globais. As grandes corporações já estão introduzindo e apostando no fator humano como agente fundamental para o alcance da alta performance, seja para a vida pessoal ou profissional. A Inteligência Emocional é uma grande aliada no desenvolvimento de pessoas e culturas organizacionais. Afinal, as emoções movem pessoas, e as pessoas geram resultados.

Por que a Inteligência Emocional é importante para empresas? Por que a Inteligência Emocional é importante para empresas?

É crescente a valorização da Inteligência Emocional nas principais organizações mundiais e, mais do que nunca, headhunters buscam nos processos seletivos profissionais que sabem direcionar suas competências emocionais para atingir resultados.

Com o ritmo cada vez mais impetuoso nos processos corporativos e as mudanças que ocorrem de forma muito rápida, é essencial acompanhar este compasso com um quadro de profissionais capazes de se automotivar, manter o foco, que possuam flexibilidade e dinamismo.

A contratação de profissionais costumam ocorrer pelas suas competências intelectuais e técnicas, e as demissões giram em torno das dificuldades de relacionamento.
Ao aplicar ferramentas de Inteligência Emocional, é possível avaliar a capacidade que um profissional tem para agir de maneira competente em relação às emoções, identificando sua capacidade de reconhecer as próprias emoções e as das outras pessoas. Essa característica é responsável por aumentar a empatia e eliminar ruídos na comunicação que podem comprometer resultados.

A Inteligência Emocional:  a base que garante a manutenção e o crescimento dos negócios

A IE é fundamental para promover a autorregulação no quadro de funcionários que aumentam o desempenho e a capacidade da autogestão.

Por meio de estratégias específicas, é possível identificar as necessidades de aperfeiçoamento e realizar um planejamento eficaz com intuito de executar um plano de desenvolvimento.

Com ferramentas práticas, que permitem destacar habilidades inatas e desenvolver, a partir de uma metodologia exclusiva, outras competências que impactam significativamente o desempenho e, por consequência, os resultados.

No atual cenário, a cultura da organização merece ainda mais destaque. Não somente os colaboradores precisam ser flexíveis, as empresas também precisam estar atentas para manter o ambiente corporativo propício, dando espaço para o profissional, empoderando equipes e desenvolvendo fatores motivacionais que demonstrem a preocupação da empresa em relação ao bem-estar e evolução dos seus funcionários.

A Inteligência Emocional é um fator de suma importância nas organizações contemporâneas e, quando implementada com assertividade, é a base para o sucesso financeiro e profissional das organizações. Alinhar as emoções a serviço de um objetivo é fundamental para gerar automotivação e estimular a criatividade.
Profissionais que possuem essa capacidade tendem a ser mais produtivos e eficazes nas tarefas e projetos que desenvolvem.

Os principais benefícios da Inteligência Emocional para a carreira

  • Desenvolvimento do indivíduo para sua máxima performance
  • Capacidade de autogestão
  • Direcionamento coerente e assertivo
  • Capacidade para alinhar escolhas cotidianas com valores e propósito
  • Detectar perfis de Inteligência Emocional e aptidões

Principais características de pessoas emocionalmente inteligentes

  • Possuem a consciência sobre suas habilidades e pontos que precisam ser desenvolvidos
  • Nutrem a autoconfiança necessária para agir
  • Desenvolvem a capacidade de empatia
  • Conseguem suportar distrações se têm um alto grau de concentração
  • Possuem controle sobre as oscilações emocionais ao longo do dia
  • Sabem lidar com erros de maneira equilibrada
  • Conseguem se automotivar
  • Sabem dizer não

Desenvolva a Inteligência Emocional da sua empresa

As emoções estão presentes em todos os ambientes e no mundo corporativo não é diferente. Se você busca melhorar seu time e criar uma cultura empresarial saudável, conheça a Formação em Inteligência Emocional e alavanque os resultados da sua empresa.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter