© Depositphotos.com / ingka.d.jiw A Síndrome de Gabriela acontece quando uma pessoa acredita que não precisa mudar ou adaptar seu comportamento.

“Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou sempre assim…Gabriela”.  O trecho da música escrita por Dorival Caymmi e interpretada por Gal Costa fez sucesso na TV na década de 1970, quando foi tema da personagem central da telenovela Gabriela — uma adaptação da obra do autor baiano Jorge Amado. A trama mostra uma mulher que não conseguia se adaptar aos costumes da época e se recusou a moldar seu jeito espontâneo e um pouco rude para se enquadrar na cidade em que vivia.

Esse comportamento obstinado é chamado de Síndrome de Gabriela, sendo observado em pessoas que acreditam que não precisam mudar ou adaptar seu comportamento a situações que não lhe agradam. Se por um lado esta é uma atitude bastante positiva, que demonstra autoestima e personalidade, este comportamento também pode ser perigoso — já que uma pessoa que se recusa a modificar seus padrões e comportamentos pode cair em uma zona de conforto, perdendo diversas oportunidades e desgastando relacionamentos.

Ao se recusar a mudar, crendo que nasceu daquela maneira e assim permanecerá até o fim da vida, o indivíduo dificulta seu crescimento profissional e pessoal. Isso porque as mudanças fazem parte da evolução do ser humano e, para isso, é preciso se abrir para o novo e se permitir rever os próprios conceitos e crenças de vez em quando.

Síndrome de Gabriela: quais são as causas?

A falta de autocrítica e autoconhecimento são as principais causas para a síndrome, que pode prejudicar (e muito!) os relacionamentos pessoais e profissionais. As relações devem funcionar como uma via de mão dupla: é preciso saber a hora de ceder e a hora de se impor. Só assim é possível manter o equilíbro e a harmonia no trato com as pessoas — sejam familiares, amigos ou colegas profissionais.

A Síndrome de Gabriela está relacionada a uma forte resistência ao novo e à dificuldade em aceitar mudanças. Indivíduos que apresentam o problema não conseguem enxergar que sua forma de ser e agir pode estar, na realidade, sabotando a si mesmo em diferentes esferas da vida. O principal gatilho que gera esse tipo de comportamento é o medo da mudança.

Para barrar a síndrome, é preciso fazer uma autoanálise que permita conhecer seus pontos fortes e os que precisam ser melhorados. Após esse exercício, sinta o desconforto de todos os aspectos que te limitam. Afinal, qualquer mudança começa com o desconforto. Ninguém sente necessidade de modificar nada com que não se incomoda, certo?

Permita-se mudar crenças e comportamentos limitantes, refletindo diretamente na maneira como você lida com as pessoas que fazem parte do seu dia a dia. Tudo na vida é mutável e sempre é possível melhorar, basta encontrar um novo direcionamento e se reinventar.

Como a Inteligência Emocional pode ajudar

Se você deseja eliminar crenças limitantes que sabotam seu crescimento e sua evolução, não deixe de conhecer o Método LOTUS, um treinamento de Inteligência Emocional que permite que você encontre a melhor versão de si mesmo!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter