© Depositphotos.com / ingka.d.jiw A Síndrome de Gabriela acontece quando uma pessoa acredita que não precisa mudar ou adaptar seu comportamento.

“Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou sempre assim…Gabriela”.  O trecho da música escrita por Dorival Caymmi e interpretada por Gal Costa fez sucesso na TV na década de 1970, quando foi tema da personagem central da telenovela Gabriela — uma adaptação da obra do autor baiano Jorge Amado. A trama mostra uma mulher que não conseguia se adaptar aos costumes da época e se recusou a moldar seu jeito espontâneo e um pouco rude para se enquadrar na cidade em que vivia.

Esse comportamento obstinado é chamado de Síndrome de Gabriela, sendo observado em pessoas que acreditam que não precisam mudar ou adaptar seu comportamento a situações que não lhe agradam. Se por um lado esta é uma atitude bastante positiva, que demonstra autoestima e personalidade, este comportamento também pode ser perigoso — já que uma pessoa que se recusa a modificar seus padrões e comportamentos pode cair em uma zona de conforto, perdendo diversas oportunidades e desgastando relacionamentos.

Ao se recusar a mudar, crendo que nasceu daquela maneira e assim permanecerá até o fim da vida, o indivíduo dificulta seu crescimento profissional e pessoal. Isso porque as mudanças fazem parte da evolução do ser humano e, para isso, é preciso se abrir para o novo e se permitir rever os próprios conceitos e crenças de vez em quando.

Síndrome de Gabriela: quais são as causas?

A falta de autocrítica e autoconhecimento são as principais causas para a síndrome, que pode prejudicar (e muito!) os relacionamentos pessoais e profissionais. As relações devem funcionar como uma via de mão dupla: é preciso saber a hora de ceder e a hora de se impor. Só assim é possível manter o equilíbro e a harmonia no trato com as pessoas — sejam familiares, amigos ou colegas profissionais.

A Síndrome de Gabriela está relacionada a uma forte resistência ao novo e à dificuldade em aceitar mudanças. Indivíduos que apresentam o problema não conseguem enxergar que sua forma de ser e agir pode estar, na realidade, sabotando a si mesmo em diferentes esferas da vida. O principal gatilho que gera esse tipo de comportamento é o medo da mudança.

Para barrar a síndrome, é preciso fazer uma autoanálise que permita conhecer seus pontos fortes e os que precisam ser melhorados. Após esse exercício, sinta o desconforto de todos os aspectos que te limitam. Afinal, qualquer mudança começa com o desconforto. Ninguém sente necessidade de modificar nada com que não se incomoda, certo?

Permita-se mudar crenças e comportamentos limitantes, refletindo diretamente na maneira como você lida com as pessoas que fazem parte do seu dia a dia. Tudo na vida é mutável e sempre é possível melhorar, basta encontrar um novo direcionamento e se reinventar.

Como a Inteligência Emocional pode ajudar

Se você deseja eliminar crenças limitantes que sabotam seu crescimento e sua evolução, não deixe de conhecer o Método LOTUS, um treinamento de Inteligência Emocional que permite que você encontre a melhor versão de si mesmo!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

20 frases de incentivo para você fazer parte do Outubro Rosa! Confira!

Leia Mais ►

Saber reconhecer as emoções e como elas influenciam suas ações é fundamental para ter mais qualidade de vida e equilíbrio.

Leia Mais ►

Confira essa entrevista exclusiva para compreender um pouco mais sobre a doença que hoje, é considerada a “doença do século”.

Leia Mais ►

Treinamentos Sbie

DESENVOLVA A
CAPACIDADE QUE PESSOAS REALMENTE FELIZES E QUE VERDADEIRAMENTE LIDERAM SUAS VIDAs POSSUEM.
A HABILIDADE INDISPENSÁVEL PARA TODO PROFISSIONAL
QUE TRABALHA COM DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Inscreva-se para receber nossa newsletter