Tel: 11 2985-5949
Fale com um consultor pelo WhatsApp

Como lidar com assédio moral no ambiente de trabalho?

Publicado em: 10/01/2017 Por: Equipe SBie

© Depositphotos.com / photographee.eu Segundo uma pesquisa realizada pela Organização Internacional do Trabalho, cerca de 42% das pessoas já sofrem assédio moral no trabalho aqui no Brasil.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, 42% dos brasileiros já sofreram assédio moral no trabalho. É definido como assédio moral qualquer tipo de humilhação no trabalho ou constrangimento que exponha ou diminua o trabalhador, seja por superiores ou colegas de trabalho.

Para ser considerado assédio moral o episódio precisa ser repetido várias vezes, e não ser caracterizado por apenas uma única situação de descontrole. Mas isso deve ser avaliado caso a caso. Se um funcionário for ridicularizado em frente a todos os colegas, por exemplo, a situação já pode ser considerada um assédio moral.

Queda de produtividade, isolamento, sensação de impotência, baixa autoestima, desmotivação, irritabilidade, estresse e depressão podem ser sinais de que a situação está extrema.

Situações que caracterizam o assédio moral no ambiente de trabalho

  • Não dar nenhuma tarefa ao colaborador;
  • Dar instruções erradas, com o objetivo de prejudicar o funcionário;
  • Atribuir erros imaginários ao trabalhador;
  • Fazer brincadeiras de mau gosto ou críticas em público;
  • Impor horários injustificados;
  • Transferir o trabalhador de setor para isolá-lo ou colocá-lo de castigo;
  • Forçar a demissão do empregado;
  • Tirar os instrumentos de trabalho do colaborador, como telefone, computador ou mesa;
  • Proibir colegas de falar ou almoçar com o trabalhador;
  • Circular boatos maldosos e calúnias sobre o trabalhador;
  • Submeter o trabalhador a humilhações públicas ou particulares;
  • Perseguições da chefia aos subordinados;
  • Punições injustas e ilegais;
  • Não passar informações necessárias para a atividade.

Como se defender do assédio moral no trabalho

Estabeleça limites

Antes de mais nada, converse com a pessoa e fale sobre como você se sente e de que forma se sente invadido. Estabeleça limites e deixe claro que não admite ser tratado dessa forma. Pergunte se tem algo que você pode fazer para melhorar ou para ajudá-la e evitar esse tipo de situação. Muitas vezes, a pessoa não tem nem consciência de que está fazendo assédio e, quando alguém chama sua atenção, ela pode mudar o comportamento.

Aja com indiferença

Quando colocado em uma situação constrangedora, não deixe que essa situação te desestabilize emocionalmente. Respire fundo e mantenha o foco em suas atividades. Não existe nada pior do que ser tratado com indiferença, portanto, seja indiferente até que a pessoa canse e perceba que sua provocação não está fazendo efeito.

Tenha compaixão

Um ponto importante é não se abalar e não deixar que a situação faça com que você se torne uma pessoa insegura. Entenda que a situação tem muito mais relação com os problemas da pessoa e, muitas vezes, nem está relacionada a você. Por mais difícil que seja, compreenda que o assediador geralmente sofre muito mais do que a vítima: o perseguidor se sente tão ameaçado e inseguro que precisa inferiorizar os outros para se sentir bom o suficiente.

Tome providências burocráticas

Se nada disso adiantar e você estiver realmente incomodado e se sentindo prejudicado com essa situação, existem vários procedimentos que podem ajudar: reúna todas as provas possíveis e converse com os superiores de quem está fazendo o assédio moral. Fale com o setor de Recursos Humanos e registre boletins de ocorrência.

Não perca mais essa grande
oportunidade de mudar sua vida!

Pesquisas constatam que pessoas com alto grau de
Inteligência Emocional são mais realizadas e felizes.