entrevista com especilista emocinal e psicóloga sobre dependência emocional.
[Autoria: Design Sbie] Entrevista com a psicóloga e especialista emocional, Helena Campos.

“Vejo a Psicologia como minha profissão, mas a Inteligência Emocional é a minha paixão”, afirma Helena, psicóloga e especialista emocional da Sbie.

Resolvemos conversar com ela para tirar algumas dúvidas sobre o tema dependência emocional. Um assunto complicado para aqueles que se encontram ou conhecem alguém que esteja nessas condições.

O resultado foi um bate-papo cheio de descobertas e conhecimento. Afinal, Helena atua na área há mais de oito anos e tem o sonho de multiplicar a inteligência emocional para o maior número de pessoas que puder.

É importante ter em mente que além da dependência emocional, existe a codependência emocional.

Enquanto o dependente necessita da outra pessoa para se sentir feliz, o codependente tem a compulsão em cuidar do outro para se sentir realizado (saiba mais sobre o assunto neste vídeo exclusivo da Sbie).

Quando isso acontece em um relacionamento, independente de qual seja, as duas partes acabam alimentando essas emoções e necessidades confusas, que não são nada saudáveis.

Como estamos vivenciando uma época de diversas inconstâncias — a indústria, a tecnologia, a ciência, os costumes culturais —, compreender a si mesmo é o primeiro passo para o progresso.

Está preparado(a) para encontrar o auxílio que precisa?

Confira, abaixo, e tenha uma boa leitura!

  • Como a dependência emocional é definida pela psicologia?

Olha, você encontrará diversas definições. A psicologia tem essa necessidade de nomear as coisas. Em geral, falamos que é uma doença emocional marcada por um relacionamento disfuncional.

Mas eu vejo além disso. Se trata de uma pessoa – tanto o dependente quanto o codependente – que busca amor, aceitação, necessidade de ser visto. Então, ela usa vários artifícios para alcançar isso. Sem refletir se são hábitos saudáveis ou não.

  • E quais são as principais causas que fazem essa condição surgir na personalidade de alguém?

O principal fator é familiar. A base dessa dependência é a mãe e o pai (ou outra pessoa que represente esses papéis).

Lá na infância são criadas as primeiras dependências, e o modo como a criança percorre esta fase gera consequências em sua vida adulta.

Ao viver em uma família problemática, por exemplo, a criança trará sentimentos como não se sentir amada e querida. Assim, pode desencadear uma dependência emocional ao buscar isso na vida adulta, vivendo relacionamentos disfuncionais.

Helena, no Treinamento Lotus Inteligência Emocional, em julho de 2019.
  • É uma linha tênue entre o ciúme e a dependência emocional?

O ciúme também tem base na infância. Ele é aquilo que você não consegue lidar sozinho, como a sua autoestima, insegurança, medo da perda etc.

É unilateral, a pessoa pode sentir e não demonstrar por medo de como o outro vai enxergar aquilo.

Mas, quando há o sentimento de “não vou conseguir viver sem esta pessoa”, se torna então uma dependência emocional.

  • A dependência emocional tem cura?

A cura vem através da percepção de que aquilo é uma doença, algo que ela aprendeu e pode reaprender.

Dizemos na Inteligência Emocional que temos caminhos neurais já prontos. “Todas as vezes que me perguntam x, eu respondo y”, “toda vez que acontece isso na minha vida, a minha reação é essa”, isso é ir por um caminho neural que já está pronto no inconsciente.

Quando percebo que não deveria responder de tal jeito e depois faço isso de uma maneira diferente, estou criando um novo caminho neural, até o momento em que essa reação se torne natural.

  • Algumas pessoas, talvez a maioria, não percebem que estão com esses indícios. Como fazer com que elas despertem e busquem ajuda?

Para mudar, ela precisa reconhecer o problema nela mesma. Por isso é tão importante que o outro diga o que sente: “não quero que você faça mais isso”, “sua atitude está demais”, “você está me controlando”, “isso me atrapalha”.

Há outros meios de se obter o despertar: textos na internet, reportagens na TV, ouvir a história de superação do outro, um curso, percepção de que algo está errado e não conseguir identificar o que é…

E essa consciência pode acontecer num período curto, longo ou nunca chegar.

Tem gente que fica nessa condição porque já está acostumado, e se mudar, mexe nas feridas, se questionando se saberá lidar com essa dor.

Helena, no evento CONEXÃO, realizado pela Sbie em outubro de 2018.
  • A dependência emocional acontece apenas em relacionamentos amorosos?

Não, acontece entre pais e filhos, amigos, em qualquer tipo de relacionamento.

O dependente pode ser dependente emocional em diversos aspectos: em algo físico (como o cigarro e a comida), em atitudes (como o vício nos estudos), e por aí vai.

Os vícios vêm para preencher vazios. Essa pessoa só vai se curar quando identificar onde está o vazio dela. Porque é uma dependência emocional causando uma dependência física.

E quando as pessoas percebem esse vazio, elas deixam de ser dependentes, pois começam a preenchê-lo de outra forma.

Por exemplo, pessoas param de fumar e emagrecem no Treinamento de Inteligência Emocional, justamente por encontrarem este caminho.

Até as predisposições desses vícios possuem um motivo, que está na história de vida, vindo da infância.

  • Como a Inteligência Emocional pode ajudar?

O gerenciamento de suas emoções vai te ensinar a se conhecer, a se respeitar, entender que você precisa se amar em primeiro lugar. Quando isso acontece, você permite que o outro entre no seu universo e te ame do jeito que você é, sem a necessidade de precisar do outro para viver.

É você entender que não precisa guardar suas emoções para se sentir aceito e amado, mas sim expressá-las: “eu não gosto disso”, “eu não quero isso”. Vivenciando verdadeiramente o você, sem precisar fugir da dor para viver apenas o amor ou fugir do amor para viver na dor.

A Inteligência Emocional leva da consciência de seus programas emocionais a vivência na prática, reprogramando-os, dando um novo olhar sobre as vivências deste receptor, levando-o a viver uma vida emocionalmente saudável.

Eai? Gostou da entrevista? Então, aprenda ainda mais sobre o tema em nosso e-book exclusivo, Inteligência Emocional — Entenda Profundamente As Emoções Humanas.

Se você conhece alguém que possa estar vivenciando uma dependência emocional, compartilhe esse conteúdo e ajude a transformar vidas!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter