© Depositphotos.com / ababaka A birra pode surgir nas crianças quando elas não conseguem afeto ou acham que não tem o suficiente.

As crianças sempre buscam atenção pelo viés positivo. Porém, quando não conseguem o afeto que desejam — ou interpretam que ele não foi suficiente —, elas começam a apresentar comportamentos para desafiar os pais e chamar a atenção deles a qualquer custo. É justamente a partir dessa necessidade de mais atenção e carinho que começam a surgir as birras e comportamentos como brigar com os irmãos, agressividade com os colegas de escola, tendência a quebrar objetos, se recusar a comer ou só querer alimentos poucos saudáveis.

Dicas para lidar com as birras

Brinque

As crianças precisam sentir que recebem atenção dos pais. Por isso, é muito importante reservar um tempo para passar com os pequenos, brincando e conversando com eles diariamente. Mesmo se a sua rotina for muito apertada, vale considerar que a qualidade desses momentos é muito mais importante do que a quantidade: as crianças se sentem seguras e amadas quando têm atenção e certamente ficarão mais calmas entretidas em uma rotina em que os pais estão mais presentes.

Mantenha a calma

É importante respirar, ter paciência e manter a calma no momento em que a criança estiver fazendo birra. Lembre-se que esta situação é um desafio proporcionado por seu filho, e que é justamente nessa hora que ele precisa de mais atenção.

Seja exemplo

Os filhos pequenos sempre repetirão o comportamento dos pais. Portanto, é importante dar bons exemplos e agir de forma tranquila diante das situações em que as coisas não saem conforme o planejado, especialmente na frente das crianças.

Invista no diálogo

Quando a criança estiver nervosa e fazendo birra, se abaixe e fique na altura dos olhos do seu filho. Sem alterar o tom de voz, converse com ele sobre o seu comportamento. Mostrar-se tranquilo diante da situação também tranquilizará a criança.

Imponha limites

A criança é totalmente dependente dos pais durante seus primeiros anos de vida e, aos poucos, começa a interagir com o mundo e compreender como as coisas funcionam. As regras são muito importantes nesta fase, uma vez que os pequenos precisam entender que nem todos os seus desejos podem ser satisfeitos. Estabeleça limites de maneira carinhosa, sempre investindo na conversa. Evite utilizar o famoso “porque não”, pois essa é uma resposta que confunde a criança e gera um sentimento de injustiça. Prefira sempre explicar os motivos de suas decisões.

Estabeleça uma rotina

A criança precisa de uma rotina organizada para criar senso de responsabilidade. Estipule horários para acordar, dormir, estudar, brincar e fazer as refeições.

Desenvolva sua Inteligência Emocional

Pais que cuidam das próprias emoções possuem melhores ferramentas para educar os filhos e manter uma rotina familiar mais saudável, harmônica e feliz. Se você está com dificuldade na relação com seus filhos e a impaciência está cada vez maior, chegou o momento de fazer algo por você e pela sua família: conheça o Método LOTUS, um treinamento de Inteligência Emocional que irá mudar a maneira como você se relaciona com seus filhos, família e amigos.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter