Inscreva-se para receber nossa newsletter

© Depositphotos.com/IconicBestiary É importante viver cada fase do luto e encarar todos os sentimentos que fazem parte desse processo.

O rompimento de uma barragem da Vale, um crime ambiental e uma tragédia humana gigantesca. Na última sexta, dia 25 de janeiro, uma barragem de uma mineradora em Brumadinho se rompeu e a avalanche de lama e rejeitos de mineração deixou uma enorme perda: já são 65 mortes confirmadas e ao menos 279 desaparecidos.

O deslizamento no município mineiro é o maior acidente de trabalho da história do Brasil — e poderá se tornar o segundo acidente industrial mais mortífero do séc. XXI em todo o mundo, segundo especialistas e rankings compilados pela BBC News Brasil.

O drama da população de Brumadinho em busca de pessoas desaparecidas continua: os relatos se repetem pela cidade e ainda há esperança de encontrar os entes queridos com vida.

Porém, muitas famílias já receberam a notícia de uma tragédia consumada. Resta saber lidar com a dor da perda, mas, a compreensão, na verdade, é bastante difícil. É comum que uma morte traumática e inesperada leve muito tempo para ser assimilada.

Como lidar com o luto decorrente de tragédias como em Brumadinho?

Embora a morte seja a única certeza da humanidade, lidar com ela provoca uma dor intensa, gera um sentimento de revolta e traz um vazio interno profundo. De acordo com a psicologia, tragédias que mobilizam milhões podem deixar as pessoas mais vulneráveis a transtornos emocionais como a ansiedade e a depressão.

Sobreviventes de acidentes ou pessoas que perderam alguém nessa situação podem sofrer efeitos ainda mais intensos, já que é comum reviver as emoções do ocorrido, as sensações de medo, impotência e impossibilidade de fazer algo.

Por isso, é extremamente importante falar sobre o luto e enfrentar os fantasmas do ocorrido. É importante aprender a conviver com a ausência e a saudade para seguir em frente. Ao passar por essa situação, é importante viver cada fase do luto e encarar todos os sentimentos que fazem parte desse processo.

Resistir ou pular etapas pode fazer com que o sofrimento seja prolongado e gerar traumas emocionais. Por esse motivo, é importante vivenciar o luto, entregar-se à dor e colocar a tristeza para fora.

Quais são as fases do luto?

Negação

Esse momento é marcado pela dificuldade em acreditar que o fato realmente aconteceu. A dor é intensa e existe uma grande dificuldade para lidar com a perspectiva de um futuro sem a(s) pessoa(s) que se foi(foram).

Raiva

Ao perceber que o fato realmente aconteceu e não existe nada que possa ser feito a respeito, é comum sentir uma grande revolta. Quando a pessoa percebe que não é possível reverter a situação, a tendência é que a dificuldade em se conformar seja canalizada em raiva.

Negociação

É nesta fase que a pessoa tenta aliviar sua dor e começa a fazer algumas ponderações, imaginando possíveis soluções e fazendo “acordos” internos. Essa negociação acontece dentro da própria pessoa e, muitas vezes, é voltada para questões religiosas.

Depressão

Geralmente é a fase mais longa do processo, e é caracterizada por um sofrimento intenso. Essa etapa é marcada por uma sensação de impotência, desesperança, culpa e melancolia, sendo comum que a pessoa precise de um período de isolamento e apresente uma grande necessidade de introspecção.

Aceitação

Nesse último estágio, a pessoa consegue ter uma visão mais realista e passa a aceitar o fato. O desespero em relação à perda dá lugar para uma maior serenidade, e o indivíduo começa a enfrentar a saudade com mais consciência.

É importante ressaltar que não existe um tempo exato para vivenciar cada fase do luto, e elas variam de acordo com cada indivíduo e situação. Algumas pessoas podem demorar décadas para chegar à aceitação, enquanto outras nunca conseguirão aceitar a perda com serenidade.

Como superar a perda e seguir em frente?

Não se culpe

Quando perdemos alguém que amamos, é comum que a culpa e o peso na consciência tomem conta dos pensamentos. Isso porque a perda faz com que o indivíduo comece a pensar em tudo o que deixou de fazer e dizer.

Nesse momento, é importante ter em mente que nenhuma relação é perfeita e que as falhas cometidas não significam falta de amor. Entenda que você fez o que foi possível diante de cada circunstância e não se torture pelo que não foi possível fazer.

Adapte-se à nova rotina

Faça todos os ajustes possíveis para aprender a conviver com a ausência da pessoa. Mude alguns hábitos e crie maneiras positivas de enfrentar a saudade — como iniciar um curso, fazer um trabalho voluntário ou ir viajar por um período.

Procure algo que proporcione prazer e traga uma sensação de preenchimento. Mesmo convivendo com a dor, é possível ser feliz encontrando motivação em atividades produtivas.

Desenvolva sua Inteligência Emocional

Cuidar das próprias emoções é muito importante durante o luto, permitindo que o indivíduo encontre coragem e força para recomeçar.

Conheça o Lotus Inteligência Emocional, um treinamento que possibilita um entendimento profundo sobre suas emoções, padrões comportamentais e crenças limitantes, ajudando você a atravessar esse período difícil com mais equilíbrio e resiliência.

 

[Em nome de toda a equipe Sbie, é com extremo pesar que manifestamos nossa solidariedade à toda população de Brumadinho e os mais sinceros sentimentos às vítimas desse crime ambiental e à todas as famílias e trabalhadores afetados pela tragédia.]

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Hoje, vamos compartilhar com você algumas dicas para economizar, e

Leia Mais ►

Hoje, em comemoração do Dia Nacional da Consciência Negra, nós

Leia Mais ►

Treinamentos Sbie

DESENVOLVA A
CAPACIDADE QUE PESSOAS REALMENTE FELIZES E QUE VERDADEIRAMENTE LIDERAM SUAS VIDAs POSSUEM.
A HABILIDADE INDISPENSÁVEL PARA TODO PROFISSIONAL
QUE TRABALHA COM DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Inscreva-se para receber nossa newsletter