© Depositphotos.com / AntonioGuillemF Para ter mais paciência com colegas de trabalho chatos, é essencial saber aceitar as diferenças e entender o que realmente te incomoda.

Lidar com pessoas chatas diariamente não é uma tarefa fácil, e quando esse vínculo acontece no ambiente de trabalho é preciso redobrar a paciência para manter uma boa relação profissional. A Inteligência Emocional proporciona caminhos para lidar com esse tipo de pessoa de uma forma mais tranquila e harmoniosa. Confira algumas dicas que a SBie preparou e evite o estresse com esse tipo de colega no ambiente corporativo:

Dicas para ter mais paciência com colegas chatos

Entenda o que te incomoda e evite projeções

Uma pessoa chata pode apresentar diversas características: pessimismo, hábito de fazer críticas o tempo todo, reclamar muito, ter tendência a fazer drama ou ser uma pessoa muito bajuladora. É necessário identificar o motivo que faz você considerar a pessoa em questão chata e, a partir daí, tentar entender quais fatores geram essa resposta negativa em relação ao outro.

Sempre que você se relaciona com alguém, é ativado um conteúdo emocional que desencadeia diversas sensações. Se durante sua infância você conviveu com alguém muito crítico no ambiente familiar, por exemplo, é possível que se irrite com mais facilidade ao interagir com um colega que também possui essa característica.

Normalmente, apresentamos dificuldades de relacionamento com determinadas pessoas pelos seguintes motivos:

  • Possuímos características parecidas com as dela, mas que temos dificuldade em admitir;
  • Desejamos ter alguma habilidade ou característica que a pessoa possui;
  • O indivíduo pode nos remeter as nossas relações primárias (pai e mãe);
  • Medo, inveja, competição ou ciúme da pessoa em questão.

A Inteligência Emocional acredita que o que enxergamos no outro é uma projeção do nosso próprio inconsciente e, por esse motivo, é necessário identificar a raiz do incômodo em relação ao outro. Dessa forma, é possível lidar melhor com todos os tipos de personalidade no ambiente de trabalho e na vida em geral.

Desenvolva a flexibilidade e aceite as diferenças

Cada indivíduo possui sua maneira de encarar a vida, assim como suas características pessoais. Para construir relações saudáveis e duradouras é preciso exercitar a flexibilidade e não se afetar tanto com as características negativas das pessoas que convivemos. É muito mais produtivo procurar as coisas positivas das relações e entender de que maneira elas podem melhorar sua rotina.

Entenda que todas as pessoas possuem qualidades e defeitos. Para isso, experimente colocar sua atenção no lado bom das pessoas e perceba como é possível melhorar consideravelmente essa relação.

Tenha empatia

Dedique-se a entender as bagagens emocionais do colega chato para compreender determinados comportamentos. Coloque-se no lugar dele e perceba quais são seus valores, ao invés de apenas ficar julgando e condenando seu jeito de ser.

Desenvolva sua Inteligência Emocional

Se você deseja se relacionar de maneira mais harmoniosa com pessoas diferentes de você, é necessário adotar uma postura mais flexível e paciente. Conheça o Método LOTUS de Inteligência Emocional — um treinamento de imersão que proporciona um mergulho profundo nas suas emoções e é capaz de dissolver crenças e padrões limitantes, melhorando seus relacionamentos e a forma como você lida com todos que convive.

 

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter