© Depositphotos.com / masha_tace Competitividade demais pode atrapalhar a equipe e impactar negativamente seus resultados

O Ser Humano vive em uma sociedade em que aprende a ser competitivo desde criança. Quem nunca se sentiu frustradissímo ao perder uma partida de videogame? As pessoas estão competindo o tempo todo: seja nos processos seletivos para entrar na faculdade, seja para disputar um cargo ou posições melhores no ambiente corporativo.

A competitividade é necessária e tem um lado muito positivo. Já que as pessoas se esforçam diariamente para se superarem. Porém, quando em excesso, ela pode ser prejudicial tanto para carreira, quanto para a vida pessoal.

Quando a busca por resultados ultrapassa valores éticos e morais, é preciso ficar atento para que a competitividade não vire algo ruim para as relações. É claro que em ambientes corporativos, os competitivos podem se sobressair. Porém, nem todo profissional competitivo lida com esta característica de forma saudável.

Afinal, competitividade demais pode atrapalhar a equipe, impactar negativamente seus resultados e isso deixa de ser interessante para a empresa.

Mas afinal, por que competimos tanto?

A baixa autoestima, a falta de autoconfiança e a insegurança são os principais elementos que levam as pessoas para a competição. O Ser humano carrega uma certa tendência em competir para se sentir melhor do que o outro e não para se superar e conquistar o que deseja.

Essa tendência nasce da necessidade de precisar provar o tempo todo que é capaz. A necessidade de aplausos e de autoafirmação pode fazer com que o indivíduo apele para estratégias desleais e pouco louváveis.

Confira 5 estratégias de Inteligência Emocional para superar a necessidade de competição

Perfeição não existe, aceite!

Ficar se cobrando em busca de perfeição consome uma grande quantidade de energia e só irá causar desgaste físico e emocional. Entenda que os erros são fundamentais para qualquer processo de aprendizado e, quanto mais você buscar a perfeição, mais frustrado você irá se sentir.

Evite a tendência em se comparar

Quando nos comparamos, entramos automaticamente em um processo de rejeição, anulando as nossas próprias particularidades e características positivas.

Trabalhe sua  autoestima

Como é possível fazer isso? Investindo em autoconhecimento! Pare alguns minutos do seu dia para fazer uma análise de como você se vê, quais são suas competências e fragilidades. Quando você se conhece e se aceita, é mais fácil ser mais seguro em suas atitudes e decisões. Faça por você, antes de fazer para os outros.

Tenha senso de propósito

Nascemos com talentos inerentes e, ao longo do nosso desenvolvimento, adquirimos gostos específicos para determinadas áreas de atuação. Procure sempre estar alinhado com seus reais desejos e assim é muito mais fácil abandonar a necessidade de ser o melhor em tudo.

Desenvolva-se emocionalmente

Quer parar de perder tempo e sair do jogo da competição? Sente que chegou o momento de olhar para sua história de vida e se conhecer melhor? Conheça o Método Lotus e abandone os padrões limitantes que o impedem de levar uma vida mais saudável e feliz.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter