© Depositphotos.com/bakhtiarzein
O ser humano precisa de outras pessoas para sobreviver, física e psicologicamente.

Todos nós precisamos de momentos sozinhos. No entanto, estender esse período mais do que o necessário não é uma boa ideia: estudos evidenciam um efeito negativo da solidão crônica no cérebro e, consequentemente, no comportamento.

Existe um rastro de milhões de anos que nos levam a sermos sociais. O ser humano precisa de outras pessoas para sobreviver, física e psicologicamente. Porém, é válido ressaltar que isso não significa que devemos buscar companhia a qualquer preço.

A convivência com outras pessoas é muito importante em nossa vida. A ciência comprovou que passar muito tempo sozinho afeta o nosso comportamento, e mais: diversas pesquisas evidenciaram que passar muito tempo a sós pode chegar até a transformar nosso cérebro.

É uma característica própria do ser humano se relacionar com os outros, mas, nos dias atuais, alcançamos um patamar em que isso não é tão fácil para muitas pessoas. Curiosamente, o crescimento constante da população e o fenômeno das multidões e seus efeitos são fatores decisivos para nos tornarmos solitários.

Os efeitos da solidão

A solidão é uma epidemia crescente no mundo todo. As pessoas vem se afastando umas das outras cada vez mais, e o número de domicílios solitários vem aumentando gradualmente. A relação entre vizinhos tornou-se tensa. Empresas vendem companhia paga por hora.

Uma pesquisa do Caltech — Instituto de Tecnologia da Califórnia — provou que passar muito tempo sozinho provoca efeitos significativos no nosso comportamento. Foi realizado um experimento com roedores, onde pesquisadores os isolaram individualmente e impediram o contato com outros de sua espécie.

Em pouco tempo, as cobaias se mostraram mais geniosas e hipersensíveis. Os resultados evidenciaram que a solidão estava levando ao acúmulo de uma substância química no cérebro que, consequentemente, os tornava mais agressivos e medrosos.

No final, todos sabemos que passar muito tempo sozinhos não é bom. No entanto, nem sempre encontramos uma maneira de romper essa bolha.


Veja mais: “O que é carência afetiva e como tratar?”

A importância da convivência social

Somos seres sociais e, como tais, sabemos da importância da socialização para a nossa vida. A nossa condição humana é definida pelas culturas que nos regem, e elas não se desenvolvem de maneira isolada. Inclusive, interagir com as outras pessoas é a melhor maneira de desenvolver de forma plena o cérebro.

Pessoas sociáveis geralmente favorecem sua saúde cerebral, porque esta característica protege o cérebro contra o declínio cognitivo e a demência. Por isso, é extremamente importante estabelecer laços de amizade e companheirismo — não apenas para cuidar da sua saúde emocional, mas também para manter seu cérebro mais ativo.

Estudos recentes na antropologia biológica demonstram a importância da socialização para o desenvolvimento e evolução do nosso cérebro. Sem as relações sociais, não teríamos nos atualizado, melhorado e progredido até sermos quem somos.

A Inteligência Emocional e a solidão

Para muitas pessoas, a solidão é um vazio. Quando essa sensação está presente, as pessoas começam a buscar externamente o que deveria ser consertado internamente, gerando no seu interior uma dependência emocional com as coisas ao seu redor.

Trabalhar suas emoções é essencial para não se perder na solidão — além de não criar uma dependência sob uma válvula de escape, você também melhora as suas relações interpessoais!

Se você quer desenvolver sua Inteligência Emocional, conheça o Lotus Inteligência Emocional — um treinamento de imersão que te ajuda a ter uma melhor percepção e gerenciamento das suas emoções!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter