O que o perdão tem de difícil também tem de libertador e até necessário, não concorda? Deixar que o que aconteceu no passado perdure, machuque e perturbe até o presente impede que a pessoa siga em frente. Perdoar, por outro lado, traz cura emocional, equilíbrio e tranquilidade para viver plenamente o hoje.

Por mais que o tenham ferido, por pior que tenha sido a decepção ou por maior que seja o dano que alguém veio a lhe causar, o perdão pode ser exatamente o que faltava para você se libertar da amargura e ver sua vida prosperar em todos os sentidos. Lembre-se de que há um futuro incrível esperando por você, basta estar disposto a se desprender do passado.

Mas você por acaso tem dificuldades em passar por esse processo? Então confira agora mesmo nosso post e aprenda por que deve se esforçar ainda um pouco mais:

O perdão não faz bem apenas para o outro

Perdoar é uma ação que, obviamente, fará bem a quem é perdoado, mas também é uma verdadeira libertação para quem perdoa. Liberar o perdão ameniza o rancor, afasta a amargura e alivia o pesado fardo da angústia. Somente quem perdoa sabe como a existência se torna leve depois desse gesto. É como se um peso paralisante fosse tirado das costas e, só então, a pessoa se sente apta e preparada para viver a própria vida, sem se apegar ao ódio ou ao desejo de vingança.

O perdão é sinal de equilíbrio e maturidade emocional

Ao contrário do que muitos pensam, o perdão não tem cunho exclusivamente religioso. A capacidade de perdoar é uma habilidade social importante, que indica equilíbrio e maturidade emocional. Imagine se no mundo não existissem pessoas capazes de perdoar. Imaginou? Pois bem, a sociedade sem o perdão seria um caos generalizado. E se você pode fazer sua parte e melhorar o mundo um pouquinho, por que não?

O perdão só se aprende mesmo perdoando

Na teoria, perdoar é simples. Quantas pessoas propagam aos quatro ventos que não guardam mágoas e que sabem perdoar? Porém, na prática, a realidade é outra! Não é nada simples perdoar quem trai. Não é simples perdoar quem rouba. Não é simples perdoar quem fere. Mas o importante é frisar que, apesar de tudo, é possível. O processo é doloroso, mas perdoar se aprende mesmo perdoando, não da boca para fora, mas do fundo da alma, sem guardar rancor ou desejar o mal a quem o machucou. Esse é um exercício diário que você só aprenderá praticando.

O perdão a si mesmo precisa vir antes de tudo

Por diversas vezes o sentimento de culpa por erros cometidos no passado acaba atordoando o presente. A dificuldade de perdoar a si mesmo é mais comum do que pode parecer, mas aponta para a real necessidade de superação das falhas pessoais e abandono do sentimento de culpa. Não se perdoar é o caminho mais curto para o fracasso, uma vez que o autoperdão é crucial para que se siga adiante, continue batalhando por seus objetivos e se sinta merecedor das conquistas futuras.

O perdão depende exclusivamente de você

Não espere que a outra pessoa mude, arrependa-se e vá pedir por seu perdão! O perdão depende de você! Enquanto ficar esperando a atitude de terceiros, a dor e a mágoa vão corroendo aos poucos. Outro dia uma grande revista de circulação nacional divulgou o caso de uma mãe que teve o filho assassinado e que, anos mais tarde, não só perdoou o assassino como ajudou a família dele. Soa inadmissível, mas essa mãe enlutada só encontrou a tranquilidade depois que conseguiu praticar o perdão.

Agora comente aqui e nos conte: o que pensa sobre o perdão? Tem dificuldade ou facilidade para perdoar quem errou com você? Lembre-se de que perdoar não é esquecer o mal que fizeram a você, mas, sim, superar a mágoa para seguir em frente. O seu presente agradece!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter