© Depositphotos.com / TatyanaGl Para melhorar a relação com os seus pais, é preciso entendê-los e estar disposto a perdoá-los.

A família e as relações primárias exercem muita influência na vida dos seres humanos. Desde o útero materno, os indivíduos registram e interpretam todas as emoções que seus pais sentem, e a maneira como eles encaram o período gestacional impacta fortemente na personalidade de cada um.

As experiências intrauterinas e as vivências da primeira infância — que vai até os sete anos de idade — são responsáveis por desenvolver os programas emocionais dos indivíduos. É durante este período da vida dos seres humanos que as experiências e as emoções são interpretadas e transformadas em padrões de comportamento que irão refletir ao longo de toda a vida.

A partir dessas informações, as pessoas criam a forma como enxergam o mundo, baseiam suas escolhas e enfrentam os problemas. Em outras palavras, podemos dizer que a maneira como cada um age e se relaciona está diretamente ligada aos padrões herdados dos pais. Caso você sinta que não é amado e está sofrendo com a rejeição familiar, é importante refletir sobre qual o real causador dessa sensação.

Quem não se sente amado por seus pais pode estar sofrendo por conta de algum trauma emocional que foi gerado durante a infância e motivado por interpretações equivocadas. Certamente, existem indivíduos que passaram por traumas reais que geraram uma dor emocional intensa — como rejeição, abandono e maus tratos —, mas a maioria das pessoas carrega problemas emocionais que são resultado de interpretações inconscientes.

Um exemplo de interpretação distorcida ocorre quando a mãe sente muito medo durante a gestação, uma sensação comum entre mulheres grávidas — afinal, existe a preocupação em relação à saúde do bebê, a insegurança gerada pela sensação de que não dará conta de cuidar do filho e a ansiedade ocasionada pela proximidade do parto. Nesses casos, o feto pode interpretar essa sensação da mãe como rejeição, e isso fica registrado no subconsciente do indivíduo. Por esse motivo, a Inteligência Emocional considera que todas as pessoas carregam algum tipo de dor emocional, seja ela real ou interpretativa.

Como superar a sensação de rejeição dos pais

As feridas da infância geram sequelas emocionais que podem impactar os relacionamentos durante a vida adulta. Para livrar-se dessas bagagens emocionais que prejudicam sua vida, é importante ressignificar essas experiências, resgatar as lembranças e identificar os acontecimentos que marcaram sua infância de maneira negativa. Após esse exercício, é preciso encontrar um propósito e entender qual o aprendizado que isso trouxe para sua vida.

Dicas para melhorar a relação com seus pais

Entenda seus pais

Faça um exercício de empatia e entenda que talvez seus pais não demostrem amor da forma como você gostaria. Aceite que cada pessoa tem sua própria maneira de demonstrar cuidado, carinho e preocupação.

Aprenda a perdoar

Aceite as particularidades e características dos seus pais e aprenda a conviver com elas.  Entenda que eles fizeram o que podiam diante das circunstâncias e ferramentas que possuíam em cada momento e faça o possível para agir com eles da maneira como gostaria de ser tratado. Faça diferente: perdoe e diga a eles o quanto você é grato por tudo.

Invista na sua Inteligência Emocional

Ao desenvolver sua Inteligência Emocional é possível promover um estado de consciência sobre suas emoções e história de vida. Com essa ferramenta, é possível ressignificar as experiências negativas e dissolver interpretações que causam dor e crenças limitantes.

Quer superar os problemas emocionais gerados na infância e dar um novo sentido para sua vida? Conheça o Método LOTUS, um treinamento de imersão que proporciona um mergulho profundo em suas emoções.

 

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter