© Depositphotos.com/worldofvector Entender as próprias emoções é a melhor maneira de se proteger do preconceito.

O preconceito está completamente escancarado na sociedade atual, e LGBTfobia não foge dessa intolerância. A intransigência e a falta de respeito com as diferenças estão cada vez mais enrustidos, velados e embutidos no inconsciente coletivo, mas é preciso entender a raiz de toda essa inflexibilidade.

De acordo com o dicionário, o preconceito é uma opinião desfavorável que não é baseada em dados objetivos, mas sim unicamente em um sentimento hostil motivado por hábitos de julgamento ou generalizações apressadas. É uma ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial.

A discriminação de grupos sempre foi uma característica muito presente na evolução da vida em grupo. Tanto grupos de animais sociais não-humanos quanto grupos humanos identificam-se entre duas categorias distintas: o “nós” e os “outros” (ou como são chamados na psicologia evolutiva, “insider” e “outsider group”). Um exemplo clássico é a denominação “bárbaro”, que era o nome dado pelos gregos aos que não eram gregos. “Bárbaros” significa “os outros”, e hoje recebeu um significado ainda mais pejorativo.

“Os outros” não são somente os outros: eles geralmente são também os inimigos. Não são “civilizados”, não têm nossos costumes, são violentos, tem comportamentos estranhos que não são os nossos, nos trazem doenças, comem nossa comida e nos matam, e, por isso, os outros merecem ser combatidos. Foi aí que nasceu a construção do preconceito velado na nossa sociedade.

A história LGBT

A busca de direitos LGBTs começou nos Estados Unidos, em junho de 1969, com as Revoltas de Stonewall. Até os anos 60, os Estados Unidos tinham uma legislação anti-LGBT muito rígida e cruel: era crime amar alguém do mesmo sexo, e um relacionamento LGBT podia levar à prisão perpétua.

Castração, choque elétrico e lobotomia — cirurgias que retiram parte do cérebro do paciente — eram usadas para tentar “curar” LGBTs, já que a homossexualidade e a transexualidade eram consideradas, até o final dos anos 70, transtornos mentais.

Pouco a pouco a comunidade LGBT foi se organizando, e, apesar das grandes barreiras que essa população ainda sofre nos dias de hoje, houve uma grande evolução no campo dos direitos: um exemplo disso é o reconhecimento da legalidade da união estável entre pessoas do mesmo sexo em maio de 2011.

Apesar de LGBT ser a sigla mais utilizada, ela ainda não inclui todas as comunidades menos conhecidas por aqueles/as de fora do movimento LGBT. Atualmente, a versão mais completa da sigla é LGBTPQIA+, na qual as letras significam:

L = Lésbicas — mulheres atraídas por outras mulheres.

G = Gays — homens atraídos por outros homens.

B = Bissexuais — pessoas atraídas tanto pelo mesmo gênero quanto pelo oposto.

T = Travestis, transexuais e transgêneros — “trans” significa “além de”, o que define as pessoas que estão os além dos gêneros feminino e masculino tradicionais.

P = Pansexuais — sentem atração sexual e/ou amorosa por pessoas independentemente do gênero dessas.

Q = Queer — representa as pessoas que não se encaixam nos padrões heterossexuais e/ou no binarismo de gênero.

I = Intersex — abreviação para “intersexual”, que faz referência a pessoas que biologicamente não se encaixam nem no binário feminino e, nem no masculino. Isso se dá por questões hormonais, genitais e/ou nos cromossomos (genética).

A = Assexuais — aqueles/as que nunca, ou raramente, sentem-se atraídos/as sexualmente por outras pessoas.

+ = Sinal utilizado para incluir pessoas que não se sintam representadas por nenhuma das outras sete letras.

A raiz do preconceito

Muitas pessoas ainda acham a união homoafetiva uma anormalidade. Repressão sexual, fanatismo religioso, machismo e rigidez na educação são alguns dos fatores que ensinam o indivíduo a ser preconceituoso. Todo preconceito é aprendido em algum momento da vida, especialmente durante a infância — seja em casa, na escola, na mídia ou na igreja.

Para Inteligência Emocional, toda forma de preconceito — incluindo a LGBTfobia — situa-se em duas questões principais:

— Insegurança em relação à própria sexualidade: pessoas que se reprimiram ou foram reprimidas sexualmente acabam projetando e canalizando sua frustração em forma de revolta. Filhos que nasceram de sexos diferentes do desejado pelos pais, traumas de infância, abusos e violência sexual também podem desencadear essa insegurança;

— Incapacidade de lidar com as diferenças e aceitar as adversidades: pessoas que não têm habilidade para administrar suas emoções se tornam rígidas em relação à sua visão do mundo. Maus tratos na infância, pais violentos e rígidos, excesso de críticas, rigidez, traumas, famílias disfuncionais e violência doméstica são alguns dos fatores que podem desencadear essa rigidez.

Problemas de baixa autoestima também podem levar a uma visão LGBTfóbica, pois uma pessoa só é capaz de aceitar o outro quando consegue se aceitar. Além disso, pessoas com baixa estima sentem necessidade de inferiorizar os outros, e acabam encontrando nas diferenças uma justificativa para tal comportamento.

A Inteligência Emocional e a LGBTfobia

É importante fazer uma reflexão para conseguir encontrar os nossos próprios preconceitos, para que assim consigamos desconstruí-los. Coloque num papel todos seus julgamentos – por mais inofensivos que eles pareçam para você — e tente racionalizá-los. Busque entender onde está a raiz deste padrão comportamental ou pensamento.

Entender as próprias emoções é a melhor maneira de se proteger do preconceito. A dificuldade em lidar com as diferenças mora na incapacidade de administrar as próprias emoções e sentimentos. Pessoas emocionalmente inteligentes, por sua vez, não perdem tempo com posturas rígidas em relação às diversidades.

Essa rigidez ocorre por conta de alguns fatores que servem como gatilhos para a dificuldade em aceitar qualquer tipo de dissemelhança. Por meio da Inteligência Emocional é possível promover o conhecimento das emoções e compreensão da própria história de vida. A partir dessa consciência, é possível trabalhar e ressignificar cada trauma ou padrão de comportamento até que eles sejam dissolvidos e esses gatilhos sejam ressignificados.

Seja para superar os problemas emocionais causados pela LGBTfobia ou então para se livrar dos próprios preconceitos e a dificuldade em aceitar diferentes formas de amar e se relacionar, a Inteligência Emocional é uma ferramenta poderosa. Conheça o Lotus, um treinamento que proporciona um mergulho profundo em suas emoções e que mudará a maneira como você lida com as suas relações e com você mesmo.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

20 frases de incentivo para você fazer parte do Outubro Rosa! Confira!

Leia Mais ►

Saber reconhecer as emoções e como elas influenciam suas ações é fundamental para ter mais qualidade de vida e equilíbrio.

Leia Mais ►

Confira essa entrevista exclusiva para compreender um pouco mais sobre a doença que hoje, é considerada a “doença do século”.

Leia Mais ►

Treinamentos Sbie

DESENVOLVA A
CAPACIDADE QUE PESSOAS REALMENTE FELIZES E QUE VERDADEIRAMENTE LIDERAM SUAS VIDAs POSSUEM.
A HABILIDADE INDISPENSÁVEL PARA TODO PROFISSIONAL
QUE TRABALHA COM DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Inscreva-se para receber nossa newsletter