© Depositphotos.com / shalunx13 É muito importante fazer com que o dependente químico se conscientize sobre a sua doença.

Existem muitos fatores que levam uma pessoa a desenvolver dependência química: desequilíbrio emocional, baixa autoestima, necessidade de ser aceito, insegurança e influências externas. Aspetos da infância também podem interferir no desenvolvimento de vícios, são eles:

  • Pessoas que tiveram pais ausentes, que eram compensados com presentes e cresceram com a ideia de que coisas externas são capazes de suprir o vazio emocional;
  • Pessoas cujos pais eram usuários de drogas ou álcool;
  • Falta de limites durante a infância, o que causa dificuldade para lidar com frustrações, fazendo com que o indivíduo busque prazer a qualquer custo;
  • Crianças que foram rejeitas podem desenvolver vícios para se sentirem aceitas;
  • Pessoas que não conseguem lidar com suas emoções e encontram nas drogas uma maneira de fugir do seu mundo interior.

A medicina e a ciência têm falado cada vez mais sobre como as experiências intrauterinas impactam diretamente na personalidade das pessoas. Se, durante a gestação ou nos primeiros anos de vida, a pessoa interpretou que estava sendo rejeitada ou que não era amada, ela pode crescer com dificuldade de cultivar o amor próprio e de amar a vida de maneira geral.

Filhos não desejados, tentativas de aborto, mães com quadro depressivo durante ou depois da gestação, sofrimento fetal, rejeição, falta de amor, maus tratos e traumas de infância são algumas situações que podem desencadear comportamentos autodestrutivos durante a vida adulta, como o uso de drogas.

Quando alguma dessas coisas acontece, o bebê começa a sentir e registrar esses sentimentos e emoções como se fossem dele. Além disso, ele registra sentimento de culpa, falta de merecimento e pulsão de morte, crescendo com a ideia de que não merece viver. Essas interpretações ficam armazenadas no inconsciente da pessoa, e podem se manifestar em qualquer momento da vida, especialmente após sofrer algum trauma.

Palavras de incentivo: como ajudar alguém na luta contra as drogas

É muito difícil que um dependente químico perceba seu vício e assuma que precisa de ajuda. A pessoa até pode ter consciência de que seu comportamento é prejudicial para sua vida, mas assumir que se tornou dependente é uma tarefa muito mais difícil. Por esse motivo, é fundamental que familiares e amigos digam palavras de incentivo e façam o possível para apoiar o viciado.

O primeiro passo para ajudar um usuário de drogas é fazer com que ele se conscientize sobre a doença. Confira cinco dicas para lidar com o problema:

Controle seu comportamento

Para ajudar alguém dependente de drogas que faz parte do seu convívio, é importante educar a si mesmo e controlar o comportamento ao se relacionar com o viciado. Por mais difícil que seja, é importante controlar a irritação e o desapontamento com a pessoa, preferindo palavras e atitudes de incentivo em vez de brigas e discussões.

Procure ajuda especializada

Procurar um grupo de apoio especializado é muito importante para que a pessoa viciada encontre pessoas que podem ouvir o problema e aconselhar o viciado sobre a melhor maneira de lidar com o problema.

Estabeleça limites

O convívio com um usuário de drogas pode ser muito difícil, uma que a pessoa geralmente perde os parâmetros de como conviver em sociedade. Escolher não estar por perto quando a pessoa estiver sob os efeitos das drogas é um exemplo de como se manter equilibrada e mostrar para a pessoa que seus atos sempre terão consequências.

Converse

Invista em abordagens que deixem claro que, caso o dependente queira se tratar, sempre haverá ajuda disponível.

Demonstre confiança

Quando o dependente químico sente que pode confiar na família e nos amigos para lutar contra seu vício sem ser julgado, terá uma motivação maior para enfrentar o problema.

O que não fazer ao lidar com um viciado

  • Não encubra os erros do viciado e não tente salvá-lo das consequências de seus atos;
  • Não faça coisas que ele pode fazer por si próprio;
  • Não ajude financeiramente;
  • Abandone a culpa.

Como a Inteligência Emocional pode ajudar no tratamento de vícios

Pessoas sem Inteligência Emocional são levadas pelo impulso do vício e não conseguem perceber que sentimentos como ansiedade, raiva, solidão e carência criam formas inconscientes de extravasar. As drogas cumprem o papel de suprir necessidade emocionais.

Enfrentar e interagir com as próprias emoções é fundamental para aprender a controlar a dependência das drogas. Se você quiser se aprofundar no conhecimento de suas emoções, desenvolva sua Inteligência Emocional com o Método LÓTUS, um treinamento que propõe o entendimento dos problemas que levaram ao desenvolvimento dos vícios e dos desequilíbrios emocionais.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

20 frases de incentivo para você fazer parte do Outubro Rosa! Confira!

Leia Mais ►

Saber reconhecer as emoções e como elas influenciam suas ações é fundamental para ter mais qualidade de vida e equilíbrio.

Leia Mais ►

Confira essa entrevista exclusiva para compreender um pouco mais sobre a doença que hoje, é considerada a “doença do século”.

Leia Mais ►

Treinamentos Sbie

DESENVOLVA A
CAPACIDADE QUE PESSOAS REALMENTE FELIZES E QUE VERDADEIRAMENTE LIDERAM SUAS VIDAs POSSUEM.
A HABILIDADE INDISPENSÁVEL PARA TODO PROFISSIONAL
QUE TRABALHA COM DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Inscreva-se para receber nossa newsletter