Um projeto não deu certo? Não, foi tudo que deu errado! É bem assim que pensamos quando falhamos, não é mesmo? Mas dificilmente essa é a realidade. Algo pode, sim, ter saído diferente dos seus planos, talvez um pouco pior do que o esperado mesmo, mas a verdade é que todo mundo está sujeito a falhas, principalmente quem se arrisca a tentar.

Pois saiba que você não está sozinho nessa caminhada cheia de tropeços. Várias boas ideias e promissores projetos só foram possíveis depois de um belo fracasso, com a digestão do aprendizado e do amadurecimento imbuídos no processo. Mas para isso acontecer é necessário que você saiba lidar com essas sensações ruins de impotência e amargura que vêm incluídas no pacote.

Quer saber como superar esse primeiro momento de sofrimento? Então confira nosso post e dê logo a volta por cima:

Sentindo a dor

É isso mesmo: deixe doer um pouco, porque foi mesmo ruim e é um direito seu remoer um pouco a dor. Se for preciso, passe um tempo sozinho, chore no travesseiro, lamente. Mas não prolongue esse sofrimento mais do que o necessário, transformando esse período em um estado permanente de autopiedade. Não se escore na tristeza, porque ela paraliza e pode trazer o medo e a insegurança, companheiros nada amistosos em nenhuma situação.

O tempo de duração recomendável para esse momento de fragilidade é de 24 horas. Vá lá, talvez você precise de um pouco mais, mas não perca seus objetivos de vista nesse processo de luto, deixando que suas metas sejam suplantadas pela dor.

Falando sobre o assunto

Converse sobre o que passou, coloque tudo para fora, escreva ou pinte a respeito. Você não tem compromisso com o fracasso. Aceite o fato, deixe o luto ir embora e siga seu próprio caminho! É preciso entender os pormenores, ver como e por que aconteceu, analisando com clareza as consequentes perdas. Essa é uma forma elegante de encarar um insucesso e ajudar a encerrar de uma vez por todas o assunto. E, posto fim no ocorrido, você finalmente terá espaço para se reestabelecer e mirar em um novo horizonte.

Traçando um novo caminho

É exatamente isso que você precisa: uma nova caminhada, diferente daquela que, como você bem sabe, deu errado. Trate de construir uma nova rota, melhorada, e tenha paciência para mais uma, duas ou mesmo dez tentativas. Entre nesse percurso com vontade, corra atrás de fazer dar certo e, se não der, sem problema! Você sabe como fazer: dê-se um tempo, respire e bola para frente, mais uma vez.

Fazendo questão de conseguir

O fracasso está sempre por aí, disponível, aparecendo sem aviso prévio e sem convite. O êxito requer disposição, exige que você mostre o quanto realmente deseja o sucesso. Por isso, seja insistente! Estude e lapide o caminho até o triunfo e aproveite os erros e as dificuldades para tornar esse encontro ainda mais valoroso.

Evitando a inércia e a autopiedade

Cuide-se. Cada dia merece a chance de ser melhor do que o anterior. Lembre-se sempre de se levantar pela manhã com um leve sorriso, independentemente do seu estado de espírito. Sorria levemente ao abrir os olhos de manhã e use esse ânimo como um lembrete da sua decisão, fortalecendo seu compromisso em tentar fazer melhor até, finalmente, conseguir.

E você, já passou por um desses momentos de necessidade de superação? Como procurou lidar com esse obstáculo? Comente aqui e divida conosco sua história, repasse as lições que tirou da prática!

 

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter