© Depositphotos.com / lightsource Existem diversos sinais de alerta para comportamentos suicidas, tais como: depressão, isolamento, uso de drogas e alteração na autoestima e autoconfiança.

Lançada no final de março de 2017 na plataforma Netflix, a série 13 Reasons Why vem se destacando entre especialistas e o público em geral. A história é sobre a adolescente Hannah Baker, uma estudante que comete suicídio e envia uma caixa cheia de fitas cassetes que foram gravadas para seus colegas de escola. Nas fitas, Hannah explica os 13 motivos que a levaram a tirar a própria vida.

Após a estreia da série, o Centro de Valorização da Vida (CVV) registrou um aumento de 445% nos pedidos de ajuda recebidos, e o site da entidade — que se dedica à prevenção do suicídio por meio do apoio emocional — teve uma alta de 170% na média de visitantes por dia. Os números são considerados preocupantes, especialmente se levarmos em conta o recente alerta feito pelo Príncipe William a respeito das altas taxas de suicídio no Reino Unido e o silêncio da sociedade em relação ao tema.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o suicídio como um problema gravíssimo de saúde pública que deve ser considerado uma prioridade global, e que ações estratégicas de prevenção são necessárias — assim como a quebra de estigmas e tabus que rodeiam o assunto.

Sinais de alerta para comportamentos suicidas

Pensamentos suicidas são silenciosos e podem ser difíceis de identificar, principalmente nos adolescentes — que se encontram em uma fase marcada por muitos conflitos e crises. Por esse motivo, é importante conhecer alguns sinais que podem indicar a necessidade de ficar alerta a possíveis comportamentos suicidas:

  • Alterações na autoestima e autoconfiança;
  • Desinteresse e abandono das atividades que sempre deram prazer;
  • Depressão;
  • Isolamento;
  • Uso de drogas ou abuso de álcool para fugir dos problemas;
  • Isolamento social;
  • Dificuldade para superar traumas.

É importante destacar que os sintomas citados são comuns em pessoas que apresentam um quadro depressivo, mas não necessariamente representam que o jovem esteja pensando em tirar a própria vida. É importante que o indivíduo passe por um acompanhamento psiquiátrico e psicológico para chegar algum diagnóstico.

O papel da Inteligência Emocional na luta contra o suicídio

A Inteligência Emocional deve ser trabalhada desde cedo nas escolas. Para isso, os profissionais que fazem parte desse ambiente devem estar devidamente preparados. É importante que haja uma cooperação entre o ambiente escolar e o contexto familiar para que o desenvolvimento da Inteligência Emocional seja completo e satisfatório.

Na série da Netflix, o bullying é uma peça central da trama e um dos principais motivos que levam a estudante ao suicídio. Isso evidencia a importância de que haja uma preocupação real em ensinar as crianças e adolescentes a lidar com as diferenças e com os diversos tipos de pessoas e situações, de modo que o bullying possa ser combatido e eliminado, assim como suas consequências.

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter