Conheça a Constelação Familiar de Bert Hellinger

Publicado em: 04/04/2018 Por: Redação SBie

© Depositphotos.com / TopVectors Este método apresenta diversos benefícios e melhora consideravelmente as relações familiares

A Constelação Familiar é uma abordagem da Psicoterapia Sistêmica Fenomenológica criada e desenvolvida por Bert Hellinger. O psicoterapeuta alemão pesquisou durante anos uma maneira para solucionar conflitos e o resultado deste estudo é um trabalho profundo e direto baseado em “leis” naturais que Helling nomeou de “Ordens do Amor”.

Confira a história de Bert Hellinger

Bert Hellinger nasceu em uma família religiosa entre as duas guerras mundiais. O Contexto social e econômico da Alemanha durante aquele período era complicado e neste momento surge o partido Nazista.

Com a explosão da 2ªGuerra, Hellinger foi recrutado e capturado pelos americanos e passou um ano como prisioneiro. Quando voltou para Berlim, entrou em uma ordem Missionária e foi enviado para África do Sul.

Lá, se envolveu com a tribo Zulu e aprendeu outras formas de relacionamento familiar ao perceber como as mães cuidavam dos seus filhos naquela tribo. Duas coisas chamaram atenção dele: o enorme respeito que os filhos tinham pelos seus pais e como os conflitos familiares eram raros.

Ali, ele teve importantes insights sobre valores familiares e reconheceu as 3 ordens do amor – que ele chamou de leis universais que atuam sobre as relações humanas. Todas essas observações, mudaram a forma como Hellinger enxergava as relações familiares e sociais e, a partir desta compreensão, dedicou-se na busca de soluções para amenizar tais conflitos.

Constelação familiar e a aceitação do passado

O maior ensinamento da Constelação Sistêmica de Bert Hellinger é: aceitar o passado é entender que ele não pode ser alterado e, mais do que isso, perceber que dos os fatos que ocorreram fazem parte da única forma possível da vida ter seguido adiante.

O ser humano tem um hábito curioso! O jogo do “e se”: e “se” eu tivesse aceitado aquela proposta, e “se” meus pais tivessem me criado de maneira diferente, e “se” eu tivesse continuado com aquele relacionamento?”

Esse padrão acontece pela dificuldade de aceitação e esconde a insatisfação com o que existe de concreto nas nossas vidas. Quando não aceitamos, abrimos margem para viver no papel de vítima e o perigo de estar neste papel é ocupar um lugar que as chances para crescer e viver uma vida em sua plenitude são muito baixas.

Como a constelação familiar funciona na prática?

A constelação familiar é capaz de mostrar que grande parte dos nossos problemas, sentimentos negativos e doenças estão ligados a outros componentes da família que passaram por situações semelhantes. Esse método consegue explicar que existe um padrão comportamental e uma repetição de acontecimentos entre várias gerações da mesma família. Mesmo que inconsciente, os membros desta família são norteados por “ordens arcaicas” e essas ordens de referem-se três princípios básicos:

  • A necessidade de pertencimento
  • A necessidade de equilibrar o “dar” e o “receber”
  • A necessidade de hierarquia dentro do grupo

Essas três ordens atuam em várias esferas da nossa vida:

Quando uma pessoa decide participar deste processo, ele apresenta um tema específico para ser trabalhado com seu terapeuta. Dessa maneira, o profissional irá perguntar sobre algumas características dos familiares do seu paciente que passaram por experiências traumáticas.

A partir destas informações, o profissional pede para que a pessoa escolha os membros da família que representem o grupo ou a ele mesmo. Assim, o terapeuta passa a relacionar as vivências desses parentes com a da pessoa. A partir dessas conexões, o paciente consegue encontrar soluções para que esses representantes encontrem uma maneira para que se sintam mais confortáveis.

Este método apresenta diversos benefícios e melhora consideravelmente as relações familiares, íntimas e impacta até mesmo o ambiente profissional. E você? Já conhecia esse método? Deixe seu comentário e compartilhe sua experiência.

Translate »