© Depositphotos.com / avemario Grande parte dos homens exigem muito de si pelo medo de não conseguir uma boa performance e agradar a parceira

Ansiedade é um transtorno que gera desconforto e medo e preocupação.Cerca de 33% da população mundial sofre com isso. Existem, na verdade, dois tipos de ansiedade: a positiva, que nos motiva, e a negativa, que impede o relaxamento e é um obstáculo que afeta todas as áreas da nossa vida, inclusive o sexo.

Porque a ansiedade afeta o sexo?

Existem muitos motivos pelos quais a ansiedade atrapalha o desempenho sexual. É válido ressaltar que é comum que o problema afete homens pela própria pressão da sociedade, uma vez que o sexo, a virilidade e a ideia de que “homem de verdade não recusa uma transa” são tidos como parte de sua natureza.

Grande parte dos homens exigem muito de si pelo medo de não conseguir uma boa performance e agradar a parceira. Assim, acabam sentindo-se pressionados para conseguir ter um bom desempenho. O medo de falhar na hora H acaba tomando conta do pensamento de muitos homens durante o sexo, e, por conta disso, é exatamente o que acaba acontecendo.

A ansiedade na hora do sexo pode desencadear muitos problemas durante a transa. Além de, muitas vezes, faltar prazer para ambas as partes envolvidas, a ansiedade pode causar ejaculação precoce e disfunção erétil

Ansiedade e Ejaculação Precoce

A ejaculação precoce decorrente da ansiedade é causada pela adrenalina liberada na corrente sanguínea durante o sexo. Feito isso, o homem ansioso acaba tendo uma maior excitação durante a transa, o que causa a ejaculação precoce.

Ansiedade e Disfunção Erétil

Assim como na ejaculação precoce, a disfunção erétil também é causada por conta do homem gerar uma descarga de adrenalina no sangue. Porém, nesse caso, essa liberação de adrenalina acaba diminuindo a dimensão dos vasos sanguíneos e, portanto, altera a quantidade de sangue irrigado para a genital, causando a disfunção e comprometendo a ereção.

6 dicas para ajudar a acabar com a ansiedade na hora do sexo

Aprenda a respirar para controlar a ansiedade

Antes da relação, existem alguns exercícios de respiração que ajudam a baixar a ansiedade. Foque somente em sua respiração e em mais nada. Inspire o ar em três tempos até encher seus pulmões, e, depois, segure o ar e expire pelo nariz em cinco tempos até esvaziá-los.

Confie em você mesmo

Ter confiança no que está fazendo é a chave para um bom desempenho na cama. Acredite mais em você.

Foque no que é necessário

Não se prenda a pensamentos de “e se der errado…”, “e se eu não conseguir ter uma ereção…”, “e se ela não gostar…” – concentre-se no momento, no prazer e no que ambos estão sentindo.

Relaxe

Relaxar é a melhor maneira de aproveitar uma relação sexual. Esqueça um pouco suas preocupações de todas as esferas que regem sua vida – profissional, familiar, financeira – e desfrute a ocasião e momento presente.

Cuide da alimentação

Muitas estudos apontam que uma dieta rica em água e magnésio possui um papel fundamental quando se trata da ansiedade. Isso porque, de acordo com cientistas e pesquisadores, a falta de água pode desencadear estresse e consequentemente a ansiedade. Já o magnésio é a única vitamina que tem demonstrado sucesso no tratamento de pessoas ansiosas.

Venha para o método Lótus

Se você quer acabar com seus problemas de ansiedade, venha para o Método LOTUS e desenvolva sua Inteligência Emocional!

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on pinterest

Posts Relacionados

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 15% do brasileiros – 30 milhões de pessoas – sofrem com a dor. Ou seja, precisamos realmente prestar atenção nos sintomas dessa condição e nas causas emocionais que podem influenciar seu surgimento.

Leia Mais ►

Pesquisar online uma reação física qualquer é algo fácil, até automático, certo? Porém, essa “curiosidade” tem limite e quando ele é ultrapassado, surge a hipocondria.

Leia Mais ►

A interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem levar ao desenvolvimento dessa doença silenciosa. Porém, são os fatores psicológicos e emocionais que funcionam como um gatilho para o transtorno vir à tona.

Leia Mais ►

Inscreva-se para receber nossa newsletter